A CHUVA

CONTO RECOMENDADO PARA MAIORES DE 18 ANOS.

Pingos de chuva na janela

Marlene trabalhava numa distribuidora de bebidas, os colegas de trabalho a chamavam de Dona Marlene, senhora séria, comportada, que era vista por todos como funcionária exemplar.

Seus dias eram de casa para o trabalho, do trabalho para casa. Um dia o caminhão de entregas, atrasou e ela ficou sozinha para recebê-lo.

Por volta das dezoito horas o caminhão chegou e demorou uma hora para descarregar. O tempo anunciava chuva, já estava trovejando e os relâmpagos haviam aumentado. Quando o ajudante descarregava a última caixa, a chuva desceu impiedosamente. O motorista que estava encostado no caminhão e o ajudante que estava levando a caixa entraram na loja encharcados. Ambos tiraram as camisas molhadas, ficando com os peitos nus e a luz acabou.

-Só faltava essa. Disse o motorista.

E no breu da noite sem que ele esperasse, sentiu suas costas ser acariciada por mãos delicadas, que foram descendo até a cintura, sentiu as mãos abrindo seu cinto, se introduzirem dentro de sua calça, foi tocado por aquelas mãos macias, mas de repente parou. Sentiu novamente as mãos que tirava seu membro para fora, foi envolto por algo úmido e quente que o fez gemer. E a luz voltou.

O ajudante que estava perto viu a cena e se excitou. E novamente a luz acabou.

Ele sentiu sua calça ser aberta, uma mão puxar seu membro ereto e se deixou levar. Com a respiração ofegante os dois esperaram o próximo movimento.

Marlene puxando os dois pelos membros rijos posicionou-se entre os dois. Com as mãos introduziu um em sua abertura faminta e outro, mais curto e não muito grosso, na parte oposta.

Como uma bailarina experiente começou a se movimentar pra trás e pra frente. A dança tornou-se frenética até seus corpos explodirem de prazer.

Dez minutos depois a luz voltou. O motorista e o ajudante entraram no caminhão e partiram.

Marlene se arrumou, pegou sua bolsa, apagou a luz e trancou a distribuidora. Como todos os dias dirigiu-se à sua casa, como se nada tivesse acontecido.


Posts Recente 
 

 Literatura Rodrigues

 Antonio  Carlos Rodrigues

             &             

Cássia Rodrigues